Ideias para o ensino: Simulação e Metas internacionais de segurança do paciente II

Em comemoração a Semana da Segurança do paciente (de 28 a 1 de Abril) promovida pela primeira vez no Brasil pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), iremos falar sobre uma temática muito importante, comunicação eficaz.


A literatura aponta que falhas na comunicação entre profissionais têm sido um dos principais fatores que contribuem para a ocorrência de eventos adversos, diminuindo a qualidade dos cuidados em saúde. Não é à toa que é a meta 2 das seis metas de segurança do paciente (NOGUEIRA E RODRIGUES, 2015).


Quando pensamos em comunicação na área da saúde a literatura cita alguns desafios, entre eles: diversidade na formação dos profissionais da saúde, a questão hierárquica que bloqueia ou intimida demais membros da equipe, assim como o silêncio organizacional, quando não verbalizam suas preocupações, a ocorrência de incidentes ou eventos adversos, assim como, suas lacunas de conhecimento, perpetuam situações que poderiam ser corrigidas em um ambiente organizacional positivo e transformador (NOGUEIRA E RODRIGUES, 2015).


Mais uma vez viu-se que programas de treinamentos de habilidades de comunicação, utilizando a técnica da simulação constituem formas efetivas de transpor as barreiras da comunicação ineficaz (NOGUEIRA E RODRIGUES, 2015).


Por isso, na série Ideias para o ensino II, iremos apresentar uma ideia de cenário de simulação cuja temática versa sobre a comunicação de um incidente sem dano. Tem como público alvo tanto profissionais da equipe de enfermagem como acadêmicos de enfermagem. No entanto, pode ser adaptado para qualquer outro profissional da saúde, modificando o contexto, que neste caso é uma situação na qual o enfermeiro da unidade é chamado pela técnica de enfermagem para comunicar um incidente envolvendo erro de administração de medicação.


Idéia para o ensino II: Comunicação de incidente sem dano


Objetivo principal: Desenvolver as competências de comunicação efetiva, trabalho em equipe e liderança; Discutir sobre a importância da comunicação precoce de incidentes e eventos adversos; Desenvolver habilidades de comunicação não punitiva.


Recursos necessários: sala de reuniões


Participantes:

1 enfermeiro (a);

ator: 1 técnico(a) de enfermagem


Descrição do caso clínico:

Você é enfermeiro (a) em uma unidade de internação. Ao final do turno, antes da passagem de plantão, a técnica de enfermagem x, recém contratada na unidade, pede para falar com você. Ela parece muito nervosa.


Briefing do ator: está aflita, nervosa, refere que gosta muito da enfermeira (o) e confia nela. Então conta que administrou uma medicação, no paciente errado. Verificou que o paciente não era alérgico, monitorou o paciente e viu que nada aconteceu. Pede para o enfermeiro não relatar o acontecido, porque tem medo que isso venha a reduzir sua chance de obter uma avaliação positiva para sua admissão, já que está em período de experiência.


Esse cenário é muito versátil podendo ser realizado presencialmente, ou no formato de telessimulação.


Gostou dessa ideia de cenário? Coloque nos comentários outras temáticas para a Série ideias para o ensino!


Referências:

NOGUEIRA J. W. S.; RODRIGUES M. C. S. Comunicação efetiva no trabalho em equipe em saúde: desafio para a segurança do paciente. Cogitare Enfermagem, 2015; v.20, n.3.