2° Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar apresenta dados da assistência em saúde no Brasil

O tema da segurança do paciente é considerado mundialmente de extrema relevância. No Brasil, o 2° Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar, produzido pelo IESS e pelo Instituto de Pesquisa Feluma (FCM/MG), traz números alarmantes acerca da assistência em saúde no país (IESS, 2018).


A publicação mostra que hospitais públicos e privados do Brasil registraram, em 2017, seis mortes a cada hora, decorrentes dos chamados “eventos adversos graves”, ocasionados por erros, falhas assistenciais ou processuais ou infecções, entre outros fatores. Considerando todo o sistema hospitalar do País, 54,76 mil mortes foram causadas pelos eventos adversos graves, sendo que 36,17 mil poderiam ter sido evitadas.


Entre os eventos adversos graves que ocorrem com mais frequência estão: septicemia (infecção generalizada), pneumonia, infecção do trato urinário, complicações com acessos, dispositivos vasculares e outros dispositivos invasivos, erro no uso de medicamentos, entre outros. Aproximadamente 30 a 36% dos óbitos determinados por eventos adversos graves podem ser prevenidos.


Fonte: https://iess.org.br/?p=blog&id=730 https://www.iess.org.br/?p=blog&id=743 https://www.iess.org.br/cms/rep/Anuario2018.pdf